WORLD GIVING INDEX: BRASIL SOBE UMA POSIÇÃO EM RANKING GLOBAL DE DOAÇÕES

O Brasil subiu uma posição no índice mundial de doações que abrange 135 países ao redor do globo. O país saiu da 91ª para a 90ª posição, de acordo com a pesquisa World Giving Index 2014 divulgada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, nesta terça-feira, em São Paulo. O estudo, divulgado anualmente desde 2010, é encomendado pela instituição britânica CAF, Charities Aid Foundation, ao instituto de pesquisa Gallup World Pool.

Apesar da 90ª colocação, o país apresentou uma evolução positiva. Porém, desde o início do levantamento, perdeu 36 posições. Os dados mostram que 22% dos brasileiros entrevistados afirmaram ter doado dinheiro para organizações da sociedade civil, 40% ajudaram desconhecidos e 16% fizeram algum tipo de trabalho voluntario.

“Em números absolutos o Brasil aparece nos três índices (doação, voluntariado e ajudar um estranho) entre os 10 primeiros colocados por ser um país populoso. Mas em termos de percentual da população ainda estamos mais próximos do fim da lista e temos enorme potencial para evoluir”, diz a presidente do IDIS, Paula Fabiani.

Em relação aos dados do ano passado, o único ponto em que o Brasil cresceu foi no voluntariado – de 13% para 16%. Por outro lado, a doação caiu de 23% para 22% e o ato de ajudar a um estranho caiu de 42% para 40%.

Estados Unidos e Mianmar compartilham o primeiro lugar no ranking. Os Estados Unidos são o único país a ranquear em números porcentuais no Top 10 nos três tipos de doação. A liderança de Mianmar no ranking se deve principalmente a uma incidência muito alta de doações de dinheiro. Nove em cada dez pessoas em Mianmar seguem a escola Theravada de budismo, com uma forte cultura de solidariedade, o que contribui para que o país esteja na primeira posição em doação de dinheiro. Os países que formam o Top 10 permanecem sendo, em sua maioria, os mesmos relatados em 2013.

A exceção mais evidente foi a Malásia, que em decorrência do Tufão HAYAN subiu da 71ª para a 7ª colocação, reflexo dos esforços humanitários para ajudar a população após o desastre.

Para a presidente do IDIS, Paula Fabiani, o levantamento mostra a necessidade de investir na promoção de uma cultura de doação no país. “No Brasil, sete em cada dez pessoas não fazem doações e oito em cada dez não praticam qualquer ação de voluntariado. Temos que fomentar a cultura de doação no país, seja em dinheiro ou tempo. Os dados mostram que a doação não está apenas relacionada com a questão da riqueza. Uma prova disso são os Estados Unidos e Mianmar que permanecem empatados em primeiro lugar”, afirma.

Na America do Sul, Venezuela é a nação menos generosa, ocupando a posição 134º, situação parecida com a do Equador, em 132º lugar. O país mais solidário do continente é o Chile, em 50° lugar na lista, seguido da Colômbia, em 53°.

Alguns destaques do relatório:
O World Giving Index 2014 traz uma série de recomendações os governos ao redor do mundo. O estudo ressalta a relevância de uma regulamentação das organizações sem fins lucrativos justa, consistente e aberta. Cobra mais facilidade para as pessoas doarem e a importância de oferecer incentivos para a doação. Lembra ainda que é preciso encorajar a doação solidária à medida que as nações desenvolvem suas economias, aproveitando o crescimento das classes médias ao redor do globo.

“Para melhorarmos esse cenário, é necessário trabalhar por uma cultura de doação mais presente e menos assistencialista, investir nas áreas de captação de recursos das organizações e criar um ambiente legal e tributário que incentive a doação, motivando as pessoas a doarem”, complementa Paula Fabiani.

O World Giving Index 2014 está disponível online por meio dos links:
(PORTUGUÊS)
http://idis.org.br/wp-content/uploads/2014/11/CAF_WGI2014_PT.pdf

(ORIGINAL, EM INGLÊS):
http://idis.org.br/wp-content/uploads/2014/11/CAF_WGI2014_EN.pdf