Conceito trazido para o Brazil pelo IDIS é tema de reportagem da EXAME

Exame

 

E se o dinheiro movimentado nos processos de privatizações e concessões fosse utilizado para dar impulso ao investimento social e ambiental no país através da criação de fundos patrimoniais? Em 20 países esse caminho foi testado e funcionou muito bem. Um estudo do professor Lester M. Salamon, da Universidade John Hopkins, mapeou cerca de 500 casos de fundações que emergiram de algum tipo de privatização.

Esse processo e o professor Lester foram tema de uma grande entrevista na última edição da revista EXAME na qual se discute como esse conceito poderia ser aplicado no Brasil:

“Hoje, a ideia de privatização no Brasil se materializa nos programas de concessões. A forma de aplicar a ideia da filantropização às concessões ainda é um desafio. O país tem feito um esforço grande para privatizar alguns serviços, como portos, aeroportos e rodovias. Se parte dos recursos oriundos desses programas de concessões for canalizada para fundações, a percepção de benefício social da privatização se ampliará para a sociedade civil. Trata-se de um montante que poderia ser direcionado, por exemplo, à ampliação do acesso à internet no país, ainda muito aquém de seu porte. Há um leque de possibilidades para esses recursos em vez de simplesmente mergulhá-los no orçamento do governo.”

O IDIS foi o precursor, no Brasil, na defesa desse processo de filantropização. Lester Salomon esteve no país em 2014 para participar do III Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais para debater o tema junto à comunidade filantrópica brasileira.

O estudo do professor é apresentado no livro “Filantropização via Privatização: Garantindo Receitas Permanentes para o Bem Comum” (em inglês, Philanthropication thru Privatization: Building Permanent Endowments for the Common Good), que foi traduzido pelo IDIS e teve um pré-lançamento durante o I Fórum Internacional de Endowments Culturais, realizado em novembro no Rio de Janeiro.

“O professor Salamon avança na ideia de que os ativos envolvidos em operações de privatização não são, em última análise, ‘do governo’, mas ‘do povo’, construídos por meio do suor, trabalho árduo e recursos dos cidadãos de um país ou pertencentes ao povo como um direito inato em virtude de sua presença no território que coletivamente ocupam”, afirma o fundador e consultor estratégico do IDIS, Marcos Kisil, no prefácio da edição brasileira.

Assista à palestra do professor Lester Salamon na III Fórum de Filantropos e Investidores Sociais realizado em 2014: https://www.youtube.com/watch?v=_xs4QCXttCg.